Inovação e retro-inovação aplicadas ao sector da bolota para consumo humano em Portugal

ANA MARGARIDA FONSECA

As bolotas representam uma importante produção da floresta portuguesa. Apesar de atualmente ser utilizada principalmente na alimentação do gado, a bolota foi utilizada como parte da dieta humana durante séculos. O seu consumo diminuiu como resultado da melhoria nas condições de vida e do progressivo êxodo rural. Nos últimos anos, a utilização da bolota para consumo humano tem vindo a crescer, como atividade de nicho, por via de algumas empresas agroalimentares interessadas em diversificar as fontes de rendimento. O número de empresas que exploram a bolota, bem como o número de produtos transformados com origem na bolota, têm também vindo a aumentar, inicialmente inspiradas nas receitas utilizadas no passado e, mais recentemente, com um maior grau de incorporação de tecnologia. Neste artigo exploramos o tipo de inovações de que este produto tem sido alvo e a forma como estas podem contribuir ou não para a manutenção dos sistemas produtores de bolota num cenário de desafios ambientais como as alterações climáticas, a necessidade de descarbonizar a economia, de superar o empobrecimento nutricional da nossa dieta e de explorar novas formas de gestão de recursos.